23 de novembro de 2018
Comentários( 9 )

Convulsão febril do Benjamim

Sempre fui uma mãe tranquila, e febre nunca me assustou. Medicava, esperava 48 horas e, se não melhorasse, levava ao médico. Nunca imaginei o que seria uma convulsão febril.

Foi assim com o Breno o meu mais velho, e assim estava sendo com Benjamim, já com 1 ano e 8 meses. Ele já tinha tido febre antes, inclusive febre bem alta, e nunca teve nada.

Convulsão febril
Por Hellen Mundim Pena Veloso

Estávamos de férias na casa de praia, e Benjamim ficou gripadinho e teve febre. Ela estava baixa, não chegava a 38. Eu dei a dipirona, e meu marido deu a mamadeira de água. Fui tomar banho e meu marido começou a me gritar. Corri na nossa cama e vi Benjamim parado, com o olho aberto, sem respirar. Fiquei tão assustada que saí gritando minha irmã, que é médica.

Enquanto isso, meu marido e a babá o viraram de bruços. A cena que mais me marcou foi essa. A cabecinha dele tombando pra baixo totalmente mole, e o cabelinho dele loiro esvoaçando. Minha irmã, meu cunhado, e o marido da minha prima, todos médicos, chegaram ao quarto. Nessa altura já tinha umas 10 pessoas ali dentro, e os 3 começaram a tentar todas as manobras possíveis. Viravam ele de bruços, tapa nas costas, massagem cardíaca, respiração boca a boca.

Medo

Ninguém sabia o que estava acontecendo, ele continuava sem reação. Eu gritava, minha prima me abraçava forte e falava: calma! Calma! Ali eu tive um medo tão absurdo, que não sei descrever. Pensei que fosse perde-lo. Isso tudo durou uns longos 3 minutos. Para mim, uma eternidade. Até que eu me desvencilhei dos braços da minha prima e consegui chegar para ver seu rostinho. Foi aí que ele começou a revirar os olhinhos. Estava começando ali uma convulsão. Que durou muito pouco, acho que nem 30 segundos. Mas só de ver ele tendo alguma reação, eu juro que já fiquei um pouco aliviada. Pelo menos ele estava vivo.

Depois que a convulsão passou – que é muito parecida com a de um adulto, só um pouco menos violenta – ele começou a chorar. Um choro apático, assustado. Nenhum de nós, inclusive os médicos presentes sabia que uma convulsão febril poderia começar assim. Mas de toda maneira, o choro dele trouxe alívio pra todos nós. Então, foram muitas as dúvidas em torno do que ele teve. E por isso saímos de lá direto para o hospital. Lá deram 40 gotas de Gardenal pra ele, fizeram um monte de exames absolutamente desnecessários, talvez para dar a impressão que estavam fazendo alguma coisa. Não apareceu nenhum neurologista pediátrico. A essa altura eu já tinha contactado o pediatra dele em Belo Horizonte e ele procurou me acalmar:

“Hellen, em 40 anos de profissão, eu nunca vi uma criança morrer de convulsão febril. Fique tranquila.”

Nada como o conhecimento para nos acalmar. Passamos a noite no hospital, sei lá por quê. Eles diziam que era para observação. Eu e meu marido sentados ao lado da caminha dele, verificando cada respiração, com medo daquilo se repetir.

Já em Belo Horizonte, consultamos uma especialista. Ela nos orientou, disse que não daria nada pra ele tomar. Nada de Gardenal, aquilo era outro caso. 90% das crianças que têm convulsão febril, têm uma vez apenas. Então o procedimento era esperar 1 ano. No final de 11 meses ele teve convulsão novamente. Novamente a febre não estava alta. Dessa vez eu não estava por perto. Mas a babá, que já tinha vivido isso uma vez, conseguiu ficar mais calma. E eu também. Mas a partir desse momento, ele teve que ser medicado. Não é sempre, é somente quando ele tem febre. Mas até os 5 anos teremos que conviver com esse risco. Enquanto isso o remédio anti-convulsivante + um Alivium vão com ele pra onde ele vai. Ele nunca mais teve nada, mas sempre que começa uma febre, já damos o anti-convulsivante.

Convulsão febril

É incrível como uma “característica” tão comum em crianças desperte tantos mitos. Depois de estudar muito sobre o assunto, conversar com médicos e me informar, alguns deles caíram para mim.

  • Para uma criança ter convulsão febril, a febre não precisa estar alta.
  • Seu filho pode começar a ter convulsão febril depois de já ter tido várias febres antes.
  • Com 5 anos de idade, as convulsões acabam.
  • Convulsão febril não causa lesões cerebrais. A criança volta ao normal pouco tempo depois. A não ser, claro, que a convulsão seja longa. Aí é outro caso. Uma convulsão febril dura segundos.
  • No caso do meu filho, ele é medicado com o anti-convulsivante apenas nas primeiras 24 horas de febre. Se é uma virose e ele tem febre por 10 dias, só o primeiro dia tem risco. O restante, não mais.
  • Por fim, essa “parada” que ele teve é normal. Faz parte do processo “pré-convulsão”. O importante é a criança  estar em um local seguro, sem água por perto nem nada na boca.
  • E que Deus proteja nossos pequenos!

Publicado em 03/06/2015

Leia também:

Febre: Resposta imunológica

 

COMENTE:

9 Avaliação de Convulsão febril do Benjamim

Marina disse : Guest Report 3 months ago

Mamaes eu passo pelo mesmo problema... Mesmas dúvidas,mesmas aflições... Acho que deveríamos criar um grupo no whats para trocar experiências

Dilene disse : Guest Report 3 months ago

E aqui q a primeira convulsão foi com 5a6m????

Jennifer Gomes disse : Guest Report one year ago

Estou passando por esse processo sou mãe de primeira viagem e estou super mega assustadacom vontade de chorar o tempo todo. . Meu filho teve duas convunções em menos de 15 dias hj ele toma gadernal eto aguardado a consulta do neuro. Ele tem 1 ano e 15dias

Isabella disse : Guest Report one year ago

Por favor, alguém que já passou pela mesma situação pode me indicar um bom neuropediatra para que meu filho não precise fazer uso de anticonvulsivante diariamente? Agradeço de coração!

Marcella disse : Guest Report 2 years ago

Primeiramente, como anda seu pequeno?! Espero que bem! Seu post foi muito esclarecedor. E fiquei muito feliz em saber que aos 5 anos isso acaba. Meu filho de 3 anos teve 2 convulsões febris, também não estavam em alta temperatura e já teve varias vezes febre e não teve convulsão. Estamos aguardando ele fazer o eletroencefalograma e voltar na neuro. Provavelmente ela passe um anticonvulsivo tbm, e vou ver se consegue ser somente quando tem febre. Não gosto de medicar muito meus filhos.

Eric disse : Guest Report 2 years ago

Boa noite minha filha passou por isso é toma medicação controlada eu não concordo e busco ajuda e esclarecimento. Pois as explicações não são suficientes e objetivas. Tenho medo de sequelas pelo uso da mediação. O que seria um anti convulsivo ?

Marina disse : Guest Report 2 years ago

Minha filha tb deve 2 convulsões febril, todas parece um.grande susto! Agora eatamos medicando com remedio, somente no momento da febre

joice disse : Guest Report 4 years ago

JOICE obrigada por compartilhar e esclarecer , passei pelo mesmo susto com minha filha de 1 ano e 7 meses, a neuro pediu para dar anticonvulsivante diariamente ate os 4 anos, mas fiquei com receio com o efeito colateral, vou preferir dar assim como vc explicou , somente qdo necessário...Deus abençoe nossas crianças...

Luana Grecco disse : Guest Report 5 years ago

Gostei do post, sofri exatamente isso tudo relatado, foi muito assustador, meu filho tem 1 ano 8 meses e pela primeira vez sofreu uma convulsão desta e no momento ele estava medicado com ibuprofeno pois estava com febre mais cedo, e no momento que teve a confusão estava sem febre dormindo no meu colo, acordou assustado e amoleceu com os olhos paralisados....terrível......mas passou, o pediatra encaminhou para o neurologista e estou aguardando a consulta.

Avalie este Fornecedor

Seu endereço de email não será publicado. Todos os campos são obrigatórios

Maternidade e Trombofilia – um fio de esperança

3 de junho de 2015

Paola e a suspeita da Síndrome de Dandy Walker

10 de junho de 2015