22 de setembro de 2016
Comentário( 0 )

Desabafo de mulherzinha

Desabafo de mulherzinha que, na verdade, eu queria gritar pra todo mundo ouvir:

Desabafo de mulherzinha – por Silvia Lino

Se eu respondo suas mensagens prontamente, eu NÃO estou desesperada pra conversar com você! Só sou educada o suficiente pra não deixar você no vácuo!

Se eu aceito sair com você, NÃO significa que eu vá ficar com você! Só quero ter a oportunidade de te conhecer melhor!

Se eu aceito tomar um copo de água na sua casa, eu NÃO necessariamente vou dar pra você! Eu só estou com sede e (com segundas intenções) a fim de “verificar” onde você mora e ver se vale a pena investir!

Se eu NÃO dei pra você no primeiro encontro, eu NÃO sou santa! Eu SÓ não tive vontade!

Se eu dei, eu NÃO estou a fim só de sexo e de um caso qualquer! Eu só quero um cara que transe legal pra sempre comigo!
Quer que desenhe?

PS: Divorciada, com dois tesouros de filhos, com quase quarenta… E esses caras pensam que eu vou me atrever a ficar com qualquer um só pra não ficar sozinha!? Não, eu não vou…

É pedir demais querer um namorado que esteja a fim de bancar minha realidade?

Silvia Lino

COMENTE:

20 de setembro de 2016
Comentário( 0 )

Desfralde antecipado das crianças

Pensei muito antes de escrever esse texto, simplesmente porque não sou especialista no assunto desfralde das crianças, sou mãe de um filho só… então, pode até ser um texto de puro “achismo”, mas sou uma mãe que sofreu com o desfralde antecipado.

Desfralde antecipado das crianças
por Juliana Ramirez de Faria

Todo ano é a mesma coisa: chega Setembro e os pedidos de ajuda ao desfralde das crianças começam a pipocar. Sempre tento dar um apoio compartilhando a minha experiência. Ontem vi em algum site de maternidade uma chamada para uma campanha pelo fim do desfralde coletivo escolar. Hoje enquanto esperava meu filho no futebol uma mãe veio me perguntar como tinha sido a experiência aqui em casa. Aí eu resolvi escrever minha experiência e tentar amenizar esta etapa, muitas vezes complexa…

Setembro

Em Setembro de 2012 (início do calor, por isso a predileção por esse mês nas escolas) a escolinha do meu filho marcou uma reunião para comunicar que iriam iniciar a retirada das fraldas das crianças. O meu filho era o mais velho da turma e estava com 2 anos e 4 meses. Tinha criança que naturalmente já havia feito a retirada, mas a grande maioria ainda usava. Entrei na onda e segui à risca todas as recomendações da escola: não ponha mais fralda durante o dia, leve ao banheiro de 30 em 30 minutos, não xingue se fizer na roupa, aplauda quando fizer no vaso, e blá blá blá.

Fiz uma compra grande de cuequinhas e lá fomos nós. Começou no feriado, se estendeu ao final de semana e eu com pano de chão e balde do meu lado. 24 horas. E meu filho numa boa, sem nem se tocar do que estava acontecendo. Passou uma semana, duas semanas, um mês, dois meses e nada, absolutamente nada mudava no comportamento dele. Só no meu.

Desfralde antecipado

Toda vez que o via brincando numa boa, e uma poça de xixi embaixo dele, como se nada tivesse acontecendo me dava até falta de ar de nervo… ESSE MENINO NÃO VAI APRENDER? Sério. Surtada né? (quem nunca?). Na agenda da escolinha vinha: fez 8 vezes xixi no vaso e 1 na roupa (entendi que as ajudantes deviam passar o dia levando as crianças no banheiro. Imagine a cena com 12 crianças desfraldando e cada uma indo 8 vezes ao banheiro… surreal). Em casa era só na roupa. Eu não conseguia lembrar de que a cada 15 minutos eu tinha que levá-lo ao banheiro (ninguém faz xixi de 15 em 15 minutos)! Ficava tão nervosa que até mandar ele limpar a bagunça eu mandava.

Passei a ficar meio antissocial. Levar criança para a casa de outras pessoas e ficar limpando o chão? E restaurante!? Tentei ir algumas vezes, algumas cuecas foram jogadas diretamente no lixo (como que lava cueca de diarreia em banheiro de restaurante?).

Estão entendendo o tamanho do meu surto? Sabe quanto tempo durou? UM ANO. EXATAMENTE UM ANO. Quando eu estava perdendo as esperanças e ia voltar com a fralda (sou persistente), simplesmente meu filho aprendeu a se controlar. Assim mesmo, de uma hora para a outra. Na hora dele.

Dando tempo ao tempo

E aí eu entendi que as crianças tem a sua hora. Que não adianta fazer o desfralde antecipado. E ele não estava pronto no ano anterior e eu não soube enxergar. Deu certo com tantos coleguinhas! Por que com o meu não iria dar? Porque não era a hora dele, simples assim.

Sempre que me perguntam sobre o desfralde eu respondo: Tente por duas semanas (a escolinha quer ajudar, afinal de contas), mas, se nesse prazo  seu filho não tiver a menor percepção do que está acontecendo, volte atrás na decisão e vai ser feliz esperando o tempo dele. Melhor para todo mundo.

E a escola tem que respeitar a sua decisão! Pode ter certeza que um dia ele vai aprender e essa vai ser mais uma fase que vai passar…
E aí, o desfralde noturno eu tirei de letra. Esperei mesmo o tempo dele. E com 4 anos e meio meu filho conseguiu fazer a retirada da fralda com sucesso, sem pressa, sem stress. Ainda ocorrem alguns escapes, sim, claro! E daí? Ele é criança e isso faz parte do pacote!

Juliana Ramirez de Faria

Leia também:

Desfralde nos terríveis dois anos

COMENTE: