12 de julho de 2016
Comentário( 1 )

Sequestro de crianças, cuidado!

Férias chegando e sempre quero parar 5 minutos e escrever sobre o que vivi, alertar os pais para redobrarem a atenção com seus filhos. Ok, você já leu isto várias vezes, eu também, mas passar por uma situação de ‘possível sequestro’ nos tira o chão, nos dá a certeza de que não é só na ‘televisão’ (ops vida) dos outros, poderia ser com você. Sequestro de crianças acontece!

padecendo-Sequestro-de-crianças-cuidado
®Shutterstock

Sequestro de crianças, cuidado! – Por Dani Braga

Estava em Vitória/ES e fui para a Ilha do Boi onde dizem que a água é limpa, eu e minha filha estacamos o tempo todo juntas, ninguém via minha mãe no quiosque. De repente, chegou uma mulher que, literalmente, pulou na minha frente dizendo que tinha alguém se afogando, apontando para frente, gesticulando, levei um susto, claro!

Olhei para frente e não vi nada, perguntei: Onde?. Ela continuou dizendo ‘ali’ e apontando, olhando para os lados como que para pedir ajuda. E, naqueles segundos que temos a certeza que Deus nos protege, segurei minha filha e a coloquei grudada na minha perna esquerda. Nisto, esta mulher começou a virar o meu rosto para olhar o tal afogamento e tirei a mão dela e gritei: “filha, não sai de perto da mamãe”.

Olhei mais uma vez para frente e o que vi foi um garoto de uns 10 a 12 anos levantando os braços para o alto, mas não estava de jeito nenhum se afogando. Peguei minha filha e saí de perto, olhei para frente em direção aos quiosques e havia três homens assistindo aquela cena ou esperando o desenrolar.

Gelei, subi correndo e pedi a minha mãe para pegar tudo e irmos embora, ela se assustou, falei que explicava depois. Saímos depressa, entramos no primeiro táxi e contei a ela tudo o que aconteceu. O taxista ouvindo tudo. Perguntei se era tão perigoso assim, ele confirmou e disse que era muito comuns, que é preciso ter cuidado.

A estratégia dos bandidos é atuar quando os pais estão distraídos ou, como neste caso, os distraem propositalmente para a criança ‘sumir’, ser levada. Está bom, você não vai no ES, não precisa se preocupar, mas será que é só lá? Naquele estado, naquela praia? Lógico que não, você vai a shoppings, praças? De todo jeito precisa repensar.

Minha sobrinha era pequena, eu não tinha filho ainda (nem imaginava do perigo que é andar em local público). Marquei com minha irmã de nos encontrarmos em um shopping. Cheguei depois e a vi em um dos corredores conversando com uma mulher, achei normal, mas conforme me aproximava vi uma mulher falando de modo estranho (agindo como se estivesse atuando), mostrando um álbum de fotos para ela e ‘colada’ ao corpo dela, tentando de toda forma que ela ficasse atenta a sua história, e tirando a atenção da filha.

Olhei em volta e vi minha sobrinha atrás da minha irmã e um homem bem em frente observando. Hoje tenho certeza de que iriam levá-la, estavam estrategicamente parados em frente a porta de saída para a rua. Cheguei por trás, peguei minha sobrinha pelas mãos e disse para minha irmã irmos embora.

O susto desta senhora foi nítido, encerrou o assunto desconcertada. Saí com as duas o mais rápido que pude. Só depois que expliquei tudo o que vi e o que poderia acontecer que minha irmã viu o perigo da situação. Depois de algum tempo ela ouviu um relato de uma conhecida também que passou por um susto em outro shopping.

Então, tenham cuidado sempre, desconfiem, orem, vigiem, que Deus cuide das crianças no Brasil (sim, infelizmente o número de sequestros tem aumentado). http://www.desaparecidosdobrasil.org/

Saiba por que é muito importante fazer a carteira de identidade do seu filho:

Carteira de identidade

Leia também:

Como evitar que seu filho se perca

COMENTE:

12 de julho de 2016
Comentário( 0 )

Dádiva de Deus

Em maio de 2013 escrevi aqui sobre a perda do meu segundo filho, sobre o “não querer ter outro”, sobre como passei por tudo e tentava superar… escrevi meu sonho durante a gravidez do Arthur, eu com um menino de cabelos castanhos e lisos e uma menina de cabelos claros e cachos, seria uma dádiva de Deus.

Por linhas tortas

Depois de tudo que passei, quase um ano depois, resolvi procurar outra ginecologista, fazer exames para ver se estava tudo bem, se eu poderia ter outro filho como Arthur e Francis tanto queriam.

Arthur orava e pedia “Papai do Céu manda um neném para o papai, a mamãe e o Arthur. Ah! Mas manda uma irmã, porque um irmão já tenho o que está no céu”. E a mamãe aqui quase morria ao ouvir suas orações!

Foto: Nikollas Campos
Foto: Nikollas Campos

Giovanna: Dádiva de Deus – por Marize Portes

Comecei a fazer os exames e, no dia 18 de dezembro de 2013, dia em que completava um ano que eu havia perdido o Bruno, com 22 semanas de gestação, descobri estar grávida novamente.

Comprei um teste de farmácia, fiz escondida no trabalho e mandei a foto para o marido. Surpresa! Susto! Medo de passar por tudo novamente! Resolvemos não contar para ninguém até 12 semanas.

Fomos contanto aos poucos para a família e os amigos, antes do que tínhamos falado, mas só “publicamos” mesmo, em fevereiro, ao completar as 12 semanas iniciais. Só aí contamos também para o Arthur, que correu novamente à varanda do meu quarto e agradeceu a Deus pela irmã, mesmo sem sabermos ainda o sexo. Mas ele tinha certeza que era uma menina!

Alegria! Com 16 semanas a confirmação: era uma mocinha! Giovanna, Arthur escolhera o nome. Nunca imaginei uma filha chamada Giovanna, mas ao pesquisar… Dádiva de Deus. Era isso mesmo que significava para nós, um presente de Deus!

Com 19 semanas meus pés começaram a inchar, o médico pediu para não fazer esforço, subir menos escadas, não pegar peso, mas que estava tudo bem. Com 20 para 21 semanas, consulta de rotina e SUSTO! Colo fino além do normal, não dava para fazer cerclagem, corria risco de perfurar a bolsa, repouso ABSOLUTO! Aff! E agora? Agora era ficar quietinha em casa para não correr risco dela nascer antes da hora, pois nessa idade não resistiria.

Mais uma vez Deus nos deu um desafio! Licença forçada, sem poder nem pegar Arthur no colo, só deitada, pernas pra cima. Mais uma vez Francis foi meu apoio. Ele e minha mãe foram meus braços, pernas e colo nesse período. Vovô Fernando e vovó Mônica também estavam sempre presentes. Tio Márcio e Alice eram presenças constantes em casa para me fazer companhia.

Fora eles, Deus me deu um “batalhão” de amigas espetaculares, as Burigatas foram minhas companheiras 24h por dia, mesmo de longe, o WhatsApp “bombava” o dia todo! Elas foram um porto seguro desde a hora que soube que tinha algo errado. Estavam em cada momento.  Alê correu para ficar comigo no ultrassom até Francis chegar, mandaram cesta de café da manhã, flores, remédios, Bel, Flavinha e Helô, sempre me visitando, organizaram chá de fraldas, Flavinha com mil ideias, Francis pensando com elas.

E ficaram comigo até quando Giovanna nasceu, aos 11 de agosto de 2014. Quando peguei o celular, estava cheio de mensagens delas, procurando notícias, comentando post de Facebook. Elas foram e serão sempre especiais na nossa vida! E não podia faltar a Paula, que mais uma vez esteve ao nosso lado, levando flores e tranquilidade na hora da Gio chegar e tia Xu e Luli, que virou tia Juju, que sempre estavam por perto!

Sem contar as PDA´s, Bebel, Renata, Lu Quintão, minha querida Mel Bracarense, que tanto me “ouviu” e me socorreu com remédios, entre outras tantas que se for escrever aqui  gasto o dia todo.

Fiquei deitada por 4 meses, de 10 de abril até 11 de agosto. Aos poucos comecei a sair para eventos do Arthur na escola, alguns almoços depois que o médico liberou para “momentos de lazer”, mas nada com muito esforço ou por muito tempo.

Giovanna nasceu forte e saudável, com 3,320kg e 49cm. Linda!

Hoje minha moça tem 1 ano e 9 meses e é exatamente como em meus sonhos, cabelos claros e cacheados, linda, esperta, geniosa e determinada. Um cisco que nos trouxe outro desafio: A APLV (alergia a proteína de leite de vaca). Mas isso é uma história, pra outro texto, em outro dia…

Mais uma vez vimos que Deus escreve certo por linhas certas mesmo, tortos somos nós, que não sabemos interpretar. E agora nossa família está completa, como nos meus sonhos e como Arthur pediu ao “Papai do Céu” com muita fé. E só temos a agradecer a esse Deus tão maravilhoso.

COMENTE:

08 de julho de 2016
Comentário( 1 )

Fornecimento de tiras para glicemia

No dia 18 de julho de 2012, faltando 12 dias para o aniversário do meu filho, ele foi diagnosticado com Diabetes Mellitus tipo 1. Impossível descrever o sentimento que me consumiu naquele momento. Chorava e pensava em tudo que aconteceria durante a nossa vida, pois o diabetes tipo 1 é uma doença crônica autoimune que não tem cura.

 

Saí do consultório do Endocrinologista “sabendo” aplicar insulina e com a orientação de medir a glicose diversas vezes ao dia.

Com o passar do tempo, aprendemos que o tratamento é diário e ininterrupto. É necessário medir a glicemia todas as vezes que ele se alimenta, quando existe uma hipoglicemia ou uma hiperglicemia. Em média, ele fura o dedinho 10 vezes ao dia para medir a glicose do seu sangue.

Descobrimos que um simples resfriado pode alterar todo o quadro, e ser necessária a monitorização da glicose de forma ainda mais intensa. Descobri que a glicose alta pode levar ao coma, além de causar diversas consequências futuras (cegueira, amputações, hemodiálise etc). Entendi, ainda, que a glicose baixa, menor que 70mg/dl, pode causar danos neurológicos irreversíveis se o paciente tiver uma convulsão.

 

Fornecimento de tiras para glicemia – por Karla Gales

Passei a acordar todos as noites às 3 horas da madrugada para medir a glicose, com o temor de que a glicose dele abaixasse e ele tivesse uma convulsão dormindo. Descobri que o tratamento é muito caro e que, apesar de existirem Leis que determinam o fornecimento do tratamento, o Estado descumpre diariamente essas Leis, bem como a Constituição e o Estatuto da Criança e do Adolescente.

O fornecimento de tiras para medir a glicemia, insulinas, seringas, agulhas, lancetas, imprescindíveis ao tratamento, é precário.  O tratamento atual fornecido pelo SUS é arcaico, se comparado aos tratamentos modernos existentes: insulinas análogas, bomba de insulina e sensores que medem a glicose. Além disso, o SUS não fornece, com regularidade, o tratamento que a Lei determina que seja fornecido.

Como se não bastassem todos os problemas que já existiam, hoje dia 08 de julho de 2016, faltando 10 dias para completar 4 anos do diagnóstico do meu filho, eu me deparo com uma Nota Técnica da Secretaria Municipal de Saúde, na qual é declarado que o fornecimento de tiras para glicemia será interrompido.

 

O estoque de tiras para medir a glicemia está ainda mais baixo que o normal. A verba destinada para reposição não será repassada pelo Estado de Minas Gerais. O pequeno estoque de tiras que ainda existe será fornecido apenas para as crianças com menos de 12 anos, gestantes e pacientes em diálise renal, até que o mesmo chegue ao fim.

Um retrocesso inimaginável para os tempos de hoje e que irá gerar graves consequências para saúde e para a vida, não só do meu filho, mas de todos aqueles que necessitam do tratamento para sobreviver.

O diabetes é uma doença grave, que o meu filho não escolheu ter. Mas, se essa é a sua condição, que tenhamos um tratamento digno. Somos cidadãos de bem, pagamos impostos e cumprimos as regras legais que regem a sociedade.

Temos uma sentença que determina o fornecimento do tratamento ao meu filho, porém a mesma está sendo descumprida diariamente. O tratamento diário e ininterrupto, que ele precisa para sobreviver, não pode aguardar os trâmites processuais.

Diante do caos no nosso país, a esperança que nos resta é que o Ministério Público, instituição responsável pela defesa de direitos dos cidadãos e dos interesses da sociedade,  exerça a defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis, garantindo a vida e saúde de todos os que tem diabetes no Estado de Minas Gerais.

Peço a todas que divulguem essas informações, para que esta possa atingir o maior número de pessoas, chegando ao conhecimento daqueles que podem fazer cumprir o direito à vida e à saúde digna de todos os portadores de diabetes do nosso Estado.

Karla Gales

Mãe do Antônio, da Natália e da Isabela.

Advogada, especializada no direito à saúde

Leia também:

Minha filha é um doce

 

COMENTE:

05 de julho de 2016
Comentários( 5 )

Camboriú com Crianças – roteiro

Camboriú é uma cidade é linda, praias lindas, restaurantes maravilhosos, um shopping super bacana, cheio de lojas bonitas e preços bem melhores que os do sudeste. E por falar em compras, no caminho a Blumenau há diversas lojas de fábricas de porcelanas, roupas, Lilica e Tigor, como fui em feriado não tive oportunidade de conhecer, mas acredito que valha a pena pelos preços de roupas em shopping, imagina nas lojas das fábricas! Adoramos passear em Camboriú com crianças.

Camboriú com Crianças

Por Danielle Caldeira

Em Camboriú com crianças, nosso roteiro foi: praia, shopping, praia, Unipraias e casa! A primeira coisa que você deve fazer é devolver o carro se você ficar localizada no centro de Camboriú, a melhor opção. Não há como andar de carro na rua principal para passear de noite, caminhar pelo calçadão e ir onde estão os melhores restaurantes, não há opção de vagas, as poucas vagas da cidade nesta região ficam nas paralelas, para ir aos passeios que a cidade oferece, há o tal do Bondindinho, um bondinho puxado por caminhão, todo aberto, sem ponto fixo, basta dar o sinal que ele para em qualquer lugar, seja para subir ou descer, e ainda vai a todos os pontos turísticos da cidade. Nós usamos o carro apenas um dia, para conhecer praias fora da cidade, se você for fazer esse tipo de passeio, aí sim, vale a pena ter carro, alugue só por um dia.

Parque Unipraias

Tem um passeio imperdível para fazer em Camboriú com crianças, o Parque Unipraias. Lá vocês vão andar de trenó pela floresta, uma montanha russa manual com muita adrenalina, nós e as crianças amamos! Visitar uma floresta encantada, vá sem pressa! Ela é realmente encantada, vale cada centavo. Fica dentro do parque. Agora, melhor mesmo foi descer de tirolesa para a praia de Laranjeiras, mas só pode descer quem tiver mais de 35 kg. Opção é revezar com acompanhante caso esteja também com crianças fora do permitido. Um desce de tirolesa e os demais de teleférico, antes de sair da estação, troque com seu acompanhante. O teleférico também é uma emoção a parte, longo trajeto com uma vista de tirar o fôlego.

Na praia de Laranjeiras, na descida do teleférico e tirolesa, almoçamos no restaurante que tem a beira mar, Casa do Camarão, adoramos. Era o único beira mar, há outras opções próximas, e existem duas versões dele, uma com comida a quilo e outra à lá carte. Gostamos muito da comida. Se você for optar por ficar um pouco na praia, observe o horário do teleférico para voltar e fique atenta ao tempo, ele para em caso de ventos fortes, também tem a opção de voltar em barco pirata ou de bondinho, que funciona dia e noite.

Meus filhos amaram o barco pirata! Acontece uma performance durante o trajeto, todos os funcionários se vestem de piratas, dá para se sentir numa aventura de verdade. Fique atenta somente ao horário de volta do barco e ao tempo, o teleférico não funciona com ventos. O bondinho te leva em todos os pontos, a entrada do Unipraias, a praia de Laranjeiras, ao embarque dos barcos.

Hospedagem:

Melhor localização para hospedagem em Camboriú com crianças: sem dúvidas que é a do hotel Mercure, mas não conseguimos quartos, ficamos no Rieger. Muito bem localizado, mas nem tanto quanto o Mercure.

O Rieger tem um complexo de piscinas muito legal, todas cobertas, café da manhã muito bom, instalações dos apartamentos boas, ficamos em um quarto amplo, com banheiro, três  ambientes, duas televisões e microondas. O hotel não é novo, mas é muito bem conservado, nós gostamos, meus filhos adoraram pelas opções de lazer em piscina e jogos.

Restaurantes que aprovamos em Camboriú:

  • Sabores do mar, amamos! Não é barato e tem a versão dele a quilo no shopping.
  • O Pharol, rodízio de frutos do mar espetacular! Não é barato, mas voltaria com certeza.
  • Madero Steakhouse, perfeito pra quem não tem a rede na cidade que mora, amei!
  • Ficamos com vontade de ir no Estalerinho, não deu tempo. Foi muito bem indicado. Taí o motivo para voltar.
  • tem um passeio gastronômico maravilhoso, lembra um pedaço da Itália! https://www.facebook.com/passeiosanmiguel/, um charme. Para quem gosta de massa, tem uma cantina neste passeio, que é divina!

Compras em balneário Camboriú:

se você gosta de comprar como eu, leve espaço nas malas, porque há muitas coisas lindas na cidade, muitas lojas legais e preços ótimos. Vá de ponta a ponta pela avenida Brasil e pela Atlantica, é o paraíso. Mais opções na Av. Brasil. Lá tem uma loja, que eu me esqueci o nome, fica perto das farmácias São João, quase esquina da rua 501, uma loja enorme de roupas femininas, camisolas e lingerie das marcas que vendem nas lojas Outonos de Banho em BH, tudo metade do preço, afinal as fábricas ficam em Brusque- SC. Me esbaldei! Mais sugestões imperdíveis de lojas fora do shopping para ir a pé:

 

Espero que as dicas ajudem a tornar sua viagem mais divertida.

Aproveitem!

Dani

Leia também:

Beto Carrero com crianças

COMENTE:

05 de julho de 2016
Comentários( 3 )

HOSPITAL INFANTIL SÃO CAMILO

Muito tem sido discutido e noticiado sobre o declínio no número de pediatras em atividade no Estado. As causas residem em vários fatores, entre eles a desvalorização da especialidade pela baixa remuneração paga pelas operadoras de planos de saúde, a falta de concursos públicos ao longo do tempo, a desestruturação da carreira, problemas com segurança e as condições de trabalho, só para citar alguns. É preciso ter disponibilidade para a família do paciente, o que faz com que o pediatra passe menos tempo com a sua própria, perdendo em qualidade de vida. A prática da pediatria dispensa o uso de tecnologias de ponta, os exames são rotineiros e simples. As operadoras pagam em média por consulta algo em torno de R$ 50 e R$ 75 e, segundo a Sociedade Mineira de Pediatria – SMP, o tempo de atendimento nos consultórios de pediatria é maior que o gasto em outras especialidades. Apesar de todos esses problemas, o Hospital Infantil São Camilo apontou aumento de 10% na procura pelo registro nos últimos dois anos.

Pediatra José Guerra Lages/ diretor do Hospital Infantil São Camilo
Pediatra José Guerra Lages/ diretor do Hospital Infantil São Camilo

 

Uma honrosa exceção

Se é fato que dezesseis hospitais de Minas fecharam alas pediátricas nos últimos cinco anos por falta de profissionais e que na capital apenas oito instituições públicas ainda estão abertas, é possível dizer, com certo alívio, que em BH existe um hospital que resiste à crise, expandindo e inovando nos serviços e atendimentos às crianças. “O Hospital Infantil São Camilo é referência nacional no atendimento humanizado da criança e do adolescente. São mais de três décadas de existência e não paramos de investir em equipamentos, recursos de tecnologia avançada e especialização dos nossos profissionais. Estamos constantemente ampliando as instalações para garantir que sejam adequadas à qualidade que queremos na prestação dos serviços. Somos praticamente um oásis dentro da cidade e a proposta é consolidar todas as melhorias em 2016”, declara Dr. José Guerra Lages, Diretor e um dos Sócios Fundadores do hospital.

Um apaixonado e entusiasta pela pediatria, Dr. Guerra é enfático ao falar do principal objetivo da instituição. “Atuamos preventivamente na saúde da criança, além do acompanhamento de perto às famílias dos pacientes. Disponibilizamos 32 especialidades pediátricas em atividade constante”, ressalta. Para se ter uma ideia da atual estrutura física, foi construído um novo e moderno prédio de nove pavimentos interligado ao edifício original de oito andares, o que permitiu um salto significativo no número de leitos e no atendimento ambulatorial.

Sobre os boatos de surto de Meningite

Padecendo-São-Camilo-comunicado-menigite

Expandir é palavra de ordem

Na contra mão da crise no atendimento pediátrico em todo o estado, o Hospital Infantil São Camilo apresenta expansões e reafirma a vocação de cuidar da saúde da criança e do adolescente.

A Unidade de Internação foi recentemente reformada, com novos apartamentos, amplos e confortáveis. Dentro da Unidade Ambulatorial, que conta com a Unidade de Emergência, a Semi-internação também passou por reformas e agora possui 14 leitos. “Nossa Unidade de Emergência é formada por consultórios, serviço de ortopedia e Unidade de Cuidados e Ministração de Medicamentos. Os materiais e instalações são de primeira, com equipe de pediatras e intensivistas pediátricos”, acrescenta Dr. Guerra.

O Hospital Dia também recebeu uma moderna área, com nova unidade e 11 quartos individuais em acomodações espaçosas, anexa ao Bloco Cirúrgico. Por falar em Bloco Cirúrgico, as salas são adequadas para comportar intervenções de pequeno a grande porte, durante 24 horas, fazendo uso de instrumentos e equipamentos de ponta.

Entretanto, a grande aposta em termos de inovação e uso de tecnologia avançada é a construção da nova Central de Material Esterilizado – CME, que se encontra em fase de montagem dos equipamentos de última geração e que irão garantir excelência na esterilização dos instrumentos cirúrgicos por ciclo e na lavagem e secagem dos materiais ventilatórios, com grande agilidade dos serviços. Localizado em um amplo espaço, a CME tem o aval da Vigilância Sanitária.

Fachada Hospital Infantil São Camilo
Fachada Hospital Infantil São Camilo

 

Estrutura de atendimento e serviços auxiliares

“O Hospital Infantil São Camilo conta com pediatras clínicos e pediatras especializados nas mais diversas áreas de atuação. Todos atendem em modernos consultórios informatizados e climatizados. Existe uma ala separada para os atendimentos especializados, em instalações amplas e muito confortáveis. As 32 especialidades médicas abrangem uma gama de serviços e atendimentos completos. Só na cirurgia pediátrica temos 11 profissionais”, analisa o diretor do São Camilo, Dr. Guerra.

Desde 1997, o hospital firmou parceria para terceirização do CTI com o Neocenter. Hoje, totalmente reformado e ampliado, o CTI tem 20 leitos equipados com modernos ventiladores e monitores.

Quanto aos serviços auxiliares de esclarecimento diagnóstico, Dr. Guerra acrescenta, “fomos pioneiros na Ultrassonografia Pediátrica e hoje temos profissionais especializados e equipamentos arrojados”. Alguns desses serviços são: Laboratório de Análises Clínicas, Serviço de Radiologia Digital, Audiometria, Impedanciometria, Ecodopler, Eletrocardiografia, Eletroencefalografia, Endoscopia Digestiva e Respiratória, Mamografia, Phmetria 24 horas, Prova de Função Pulmonar e Tomografia.

A Farmácia Clínica tem atuação multiprofissional e o objetivo de promover a eficácia da terapêutica com segurança. São feitas análises técnicas de prescrições médicas, farmacovigilância, tecnovigilância, hemovigilância e gerenciamento da terapia medicamentosa. “Também é preciso mencionar o Serviço de Vacinas que oferecemos e que é realizado em parceria com a clínica “Imunológica Vacinas Humanas”, referência nacional em imunização”, destaca Dr. Guerra.

Serviços especializados, capacitação e certificação

 “Muito nos orgulha a criação de alguns serviços diferenciados. Por exemplo, juntamente com o serviço de Epidemiologia e Segurança Assistencial, foi implantado o Núcleo de Segurança do Paciente para que possamos melhorar sempre na qualidade dos serviços de saúde do São Camilo”, lembra Dr. Guerra. Para justificar o investimento ao longo dos anos e atendimento diferenciado aos clientes, todos os profissionais passam por um processo de difusão da educação continuada. É premissa zelar pela geração e transmissão do conhecimento médico. O hospital sempre deu ênfase ao recrutamento, seleção e treinamento dos colaboradores na área operacional e nas relações interpessoais, por meio de cursos periódicos. Dr. Guerra ainda destaca, “em 2013, abrirmos o curso de Especialização em Pediatria em parceria com a Fundação Educacional Lucas Machado – FELUMA, e em 2014 fomos credenciados pelo MEC para implantação de Residência em Pediatria. Este ano firmamos convênio com a UNIFENAS-BH para Estágio Curricular de Pediatria”. No campo das certificações, o São Camilo foi o primeiro hospital infantil do Brasil certificado pela Organização Nacional de Acreditação – ONA, que avalia a qualidade dos serviços de saúde, com grau máximo.

São Camilo em números

Respeito e compromisso com os clientes, essa é a premissa que pauta o dia a dia dos profissionais médicos, funcionários e diretoria do Hospital Infantil São Camilo. Em todo o Estado de Minas, a instituição está entre as que possuem uma das maiores estruturas de atendimento. Alguns números confirmam:

Estrutura Hospitalar:

18 consultórios de pediatria
19 consultórios de Especialidades Pediátricas
04 consultórios de Ortopedia
02 consultórios de Odontopediatria

Atendimentos realizados:

200 mi atendimentos ambulatoriais por ano
2.400 internações clínicas por ano
4.100 cirurgias realizadas por ano

Serviços de Diagnóstico:

120 mil exames laboratoriais por ano
36 mil radiografias por ano
14 mil ultrassonografias por ano

Quadro profissional:

210 colaboradores nas áreas administrativa e operacional
200 médicos
90 profissionais, técnicos e auxiliares em enfermagem
Contatos com Luiz Francisco Corrêa e Camilla Fiorini

 

Leia também:

http://padecendo.com.br/assistencia-pediatrica-servicos-proprios-unimed-bh/

 

COMENTE: