07 de maio de 2018
Comentário( 0 )

Depois de ser mãe – mudanças

Quando eu nasci minha mãe tinha apenas 26 anos. Depois de ser mãe, quando ela estava com 28 anos, nos mudamos para Belo Horizonte deixando toda nossa família no Rio de Janeiro. Quando ela chegou aos 30, separou-se do meu pai, motivo pelo qual estávamos em BH.

Depois de ser mãe

Contrariando às expectativas, minha mãe resolveu continuar em Belo Horizonte para me manter próxima do meu pai, e porque já estava começando a se estruturar profissionalmente. Um dia, já não me lembro quando, meu pai a avisou que estava de mudança para os EUA. Assim, como quem avisa que comprou pão de sal.

Ainda assim, ela ficou em Belo Horizonte. Ela tinha uma filha pequena pra criar. E já tinha um trabalho estável. Se casou novamente. E foi extremamente feliz. Eu me lembro dessa felicidade que estava no cantarolar dela, nas viagens que fazia e no sorriso. Aos 37 anos, o destino tirou isso dela. Meu padrasto, tão amado, morreu em um acidente. Foi avassalador. Ainda é.

Eu, ainda tão pequena, me lembro desse dia. Quando apareceram uns amigos deles lá em casa para dar a notícia para minha mãe. Só de escrever isso já me dói o peito.

Hoje, quase 30 anos depois, sei que muito da vitalidade da minha mãe foi embora junto com esse acidente.

Eu era o motivo

Ela manteve a cabeça erguida. Afinal, ela tinha uma filha pra criar. Comida, escola, van, vôlei, inglês… Eu era o motivo da vida da minha mãe. Era tudo por minha causa.

Minha mãe não se casou novamente. Ninguém mais “serviu” pra ela. Meu pai tem as limitações dele e nunca aparece. Ainda mora fora do Brasil. Somos eu e ela. Parceiras e confidentes em tudo. Ela é minha melhor amiga.

Me casei e tenho uma menina. Alice tem 6 anos. Entendo, depois de ser mãe, todas as escolhas que minha mãe fez. Foi tudo por mim. A gente muda muito depois que põe um filho no mundo. Eu mudei. As prioridades são outras. Alice é meu motivo. Minha mãe é meu exemplo.

Aqui no Padecendo encontramos muitas histórias tristes e de força como a da minha mãe. Temos algo de muito especial em comum. Um filho. Um motivo para continuar.

Feliz dia das mães, amigas queridas. Que Deus possa nos iluminar para fazer sempre boas escolhas para nossos filhos. E que sempre tenhamos vitalidade! Força!

#oamoréoquenosune

Por Elena Sabino Guedes

Leia também:

Maternidade e Identidade

COMENTE:

Avalie este Fornecedor

Seu endereço de email não será publicado. Todos os campos são obrigatórios

Fio dental para evitar as cáries

3 de maio de 2018

Gatilhos da depressão – prefiro evitar

10 de maio de 2018