27 de junho de 2018
Comentário( 0 )

Aborto de repetição – Carta para uma bebê arco íris

Filha, assim como seu irmão, você é um bebê arco íris. Isso significa que vocês dois vieram depois de perdas, 3 pra ser exata, e são minha resposta de amor após a tempestade. O nome clínico pra o que aconteceu com a mamãe é aborto de repetição e a nossa sociedade não tem muito acolhimento para com mulheres que passam pelo que eu passei. Sei disso porque as 3 vezes em que isso aconteceu busquei amparo social, médico e religioso e recebi desdém.

Aborto de repetição

Descobri que ao perder um bebê com menos de 12 semanas eu não teria direito a uma licença para meu luto. Ouvi médicos dizerem que antes de 12 semanas você nem está tecnicamente grávida de verdade. Pois é um embrião e não um feto. Descobri que o aconselhamento religioso era que eu nem nomeasse esses bebês. Descobri que não há um sacramento, uma cerimônia, uma despedida, uma reza, uma orientação. Seus 3 irmãos partiram sem chegar, sem documento, sem despedida, sem padrinhos na Igreja, sem bençãos, sem registros, sem existir.

Carta para uma bebê arco íris

Filha, nossos corpos são desconhecidos da ciência. Nos dizem que toda vida importa mas quando perdemos uma gestação com menos de 12 semanas a orientação clínica é que se espere pela 3a. repetição disso para investigar o motivo. Isso mesmo, antes de 3 abortos não se deve gastar o dinheiro do plano e do contribuinte com exames. E isso faz com que mulheres que sofrem de infertilidade, como eu, vejam mais outras duas perspectivas de gestação não se concretizarem antes de ter direito a conversar sobre uma resposta.

E eu estou te contando tudo isso porque nesse momento estão mentindo sobre nós. Só hoje vi 3 vídeos propagando como é um aborto de 9 semanas dizendo mentiras. Eu tive aborto de repetição, foram 3 abortos desse tipo e sei como eles se parecem graficamente, nenhum vídeo vai conseguir me enganar. Vi também religiosos, os mesmos que negaram bençãos para seus irmãos, chamando de assassinas mulheres que abortem antes de 12 semanas. E médicos, os mesmos que negam atendimento antes de 3 abortamentos, dizendo que têm direito a não atender mulheres que abortem pois acreditam na vida.

Hipocrisia

Filha, o nome disso é hipocrisia. É uma hipocrisia que existe para legislar e controlar nossos corpos.

Enquanto mulher, e mãe de uma mulher, eu quero te prometer que vou sempre me posicionar pra que essa hipocrisia acabe.

Filha, eu sou cristã e eu acho que nunca abortaria. Por mim, que Deus abençoe nossa família com mais filhos ainda. Mas a verdade é que temos uma família estruturada. Eu nunca corri risco de vida enquanto gestando. Eu nunca gestei um filho indesejado. Eu nunca carreguei o fruto de uma violência. Eu nunca tive meu futuro comprometido por caminhos que não escolhi. Eu não posso falar com certeza sobre decisões que não precisei tomar. E você é uma mulher que vai poder escolher seus caminhos e eu não sei onde eles vão te levar. Eu vou pedir a Deus todos os dias que proteja você e que nada te leve a tomar essa decisão dolorosa, desumana. Ninguém é a favor do aborto, filha. Mas se um dia a gente der esse azar, eu espero que você tenha atendimento médico e psicológico legal, seguro e humanizado.

E se alguém tentar te atacar por defender seu próprio corpo, filha, lembre disso: seus irmãos não tiveram nomes, documentos, sacramentos. Não é sobre a vida, filha. É sobre nossos corpos. E ninguém além de Deus deveria poder julgar o que fazemos ou não com eles.

Seja dona de si mesma e tenha empatia pelas suas irmãs e as respostas vão aparecer pra você. O lado que usa mentiras pra convencer nunca compensa.

Debora Camargo

30 anos, mãe da Memel e do Victor, cristã, feminista e escritora. Gosto de coisas bonitas e de conversar sobre onde a maternidade, a autoestima e a felicidade se encontram no Instagram @adebsescreve.

Leia também:

Dor da perda, dor do desrespeito, da violência

Compartilhe:Share on Facebook

Facebook

COMENTE:

Avalie este Fornecedor

Seu endereço de email não será publicado. Todos os campos são obrigatórios

Duas perdas. Duas mulheres.

27 de junho de 2018

Consumo consciente – consumir diferente

13 de julho de 2018